Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Há sobejas razões só minhas que tornaram o meu natal uma grande chatice. Já aqui neste post eu falo um pouquinho sobre este meu cansaço natalício. Por isso não vos vou maçar mais com isso.

Só que, a estas minhas razões acresce a despedida, inesperada, faz este natal um ano, dia 24 de dezembro, do pai do meu sapo mais que tudo.

Se esta época é de celebrar a vida, a nossa ficou um pouquinho mais complicada, com esta partida. Não por nós que aceitamos este destino que a vida nos pregou, mas por outros familiares que, agora, se recusam a festejar seja o que for. E compreende-se, ou talvez não. E vai ser assim, daqui para a frente.

Mas a vida continua para quem cá fica e há que continuar a levantar as pedras da calçada o melhor que se consiga. Recusar viver para alimentar a perda não me parece o melhor trilho a seguir.

Embora não goste da época, tenho de a viver porque não vivo só. Há quem adore o reboliço do natal e tenho que o festejar o melhor que consigo. E vivo-o o melhor que sei. E, embora haja sempre esta memória triste, neste dia, havemos de não deixar que ela nos tolde a alegria presente e futura desta época. Mesmo que tenha de ser ima festa só a quatro.

 


5 comentários

Imagem de perfil

Marta Elle 19.12.2018

Depois de perdermos alguém importante não podemos desistir. Temos de continuar a nossa jornada.
Imagem de perfil

CÉLIA 21.12.2018

Estas épocas por vezes não são muito felizes para muitas pessoas, pela dor. Desejo que com o tempo essa dor apazigúe.
Imagem de perfil
A vida continua, e alimentar uma perda é doloroso para todos! É importante libertarem-se, Força para que este Natal seja um bocadinho mais alegre!
Sem imagem de perfil

A Desconhecida 21.12.2018

Um grande beijinho! Um Santo natal!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor