Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

4 sapos

4 sapos

11
Mar19

Avós ontem, avós hoje


Mãe Maria

As avós eram aquelas senhoras velhinhas, que tinhamos que dar um beijo com o maior respeito do mundo e tratá-las com toda a cerimónia e cuidado extremo.

Estas avós vestiam-se de cores escuras, de saias compridas e usavam calçado de saltos baixinhos. Raras eram as que se atreviam a usar roupas de cores mais alegres, de pintar as unhas e usar baton de cor vermelha, quase desafiando o mundo.

Elas encontravam-se na igreja, na hora do terço, no coro ou no final da missa. As viuvas vestiam-se de preto, dos pés à cabeça, muitas delas, o resto da vida. Trocavam mágoas no cemitério, aos pés da campa florida do companheiro de uma vida. As mais modernas encontravam-se para tomarem um chá e comerem um bolo de arroz, fresquinho, no café mais conhecido da zona habitacional, num quase atrevimento e desafio à sociedade de então.

Viviam, quase em exclusivo, para os netos, faziam rendas e malhas para eles, e a independência limitava-se à dependencia dos filhos e netos. Alimentavam a dor e esperavam o dia do julgamento final, com uma aceitação religiosa, impressionante. A reforma era para poupar para os filhos e gastavam o minimo possível e necessário. Raras eram que terminavam os dias numa casa de pessoas idosas. Havia, quase sempre, espaço em casa de um dos filhos, para as avós ficarem nessa qualidade de dependente.

Hoje as avós, vestem-se de cores alegres, não descuram a moda, usam saias curtas, saltos a desafiarem a gravidade e calças a realçar as curvas, as novas ou as que conseguiram manter da juventude. Raras são as que não assistem a concertos em estádios cheios de vida e musica aos gritos, desafinando e cantando as canções da suas juventudes.

Elas encontram-se nos cafés, nos bares e em esplanadas para tomarem caipirinhas, cervejinhas e comerem uns petiscos até ser noite. Juntam-se em jantares de amigas, onde a moda tem o seu ponto alto, de modo a realçarem, não a idade avançada mas a idade poupada. Não se descuidam com o tempo, viajando para conhecerem o mundo.

Praticam desporto, vão ao "spa", usam e abusam de tudo que possa disfarçar as marcas da vida. Não fazem questão de esquecerem a juventude. Fazem questão de disfarçar o passado. Estas avós não dependem dos filhos e netos, dependem de si mesmas. Não alimentam as dores e só lhes pegam quando a sorte se vai. Até lá, vivem a plenitude da vida. A reforma é usada para alimentar o ego, mas há uma parte que vai para as poupanças, que um dia, há um destino chamado "lar de idosos ou casa de repouso".

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D